CANHOTA 10

Ausência de Larry desperta potencial de Thyago Aleo

Ao contrário do que ocorreu no futebol, no sábado, Barueri não fez a festa em casa bauruense. Até tentou, esteve à frente no placar em alguns momentos, mas o Itabom/Bauru, mesmo sem Larry Taylor, confirmou seu favoritismo e ainda brindou a galera com o lanche do Bob’s por ultrapassar os 100 pontos (101 a 86). O pivô Jeff Agba foi o destaque, com 27 pontos e dez rebotes (duplo-duplo) – ele errou apenas um arremesso de dois pontos e um lance livre.

Classificado e de olho na última partida do turno, contra um rival direto, São José, o técnico Guerrinha poupou a estrela Larry Taylor, com desconforto muscular. Foi a oportunidade do armador Thyago Aleo assumir a responsa de conduzir no time e se soltar mais – fora criticado publicamente por Guerrinha, no primeiro turno, após jogo contra o Palmeiras (23/8), por não aproveitar as chances de entrar em quadra contra times mais fracos.

O camisa 5 parece ter se empenhado mais dessa vez – e nada melhor do que os números para provar isso. Confira, abaixo, as médias dele no Campeonato Paulista em comparação com a partida deste domingo (26/9):

Fonte: Federação Paulista de Basquete. Foto: Cristiani Simão/Jornada Esportiva

Na véspera da partida, Aleo havia comentado ao repórter Wagner Teodoro, do Jornal da Cidade, sua característica, que se concretizou na partida. “Tenho um lado mais organizador e o Larry tem mais o lado do um contra um, agressivo”. É verdade.

Para fazer uma comparação justa, do time com e sem Larry Taylor, peguemos a partida de ida contra o Barueri: foram nove assistências (quatro de Larry, que foi o cestinha com 22 pontos, a maioria deles em suas infiltrações); na volta, neste domingo, foram 23! O time fica mais solidário sem o camisa 4, porém, não pode prescindir desse monstro. Outra diferença: com Larry, no jogo de ida contra o Barueri, os acertos nos chutes de dois pontos foram de 55%; subiram para 73% na volta. Entretanto, as roubadas de bola (especialidade do norte-americano) diminuíram em 40%.

Tomara que a experiência solte Thyaguinho (como Guerrinha o chama) de vez e possa, além de permitir que o ‘Alienígena’ descanse durante os jogos, trocar bons passes com ele e deixar os companheiros na boa.

Mais dois pontos a destacar. Alex voltando com confiança (23 minutos em quadra, 14 pontos, três rebotes e cinco assistências), que bom. E uma pergunta: o que há com Júlio Toledo? O bom ala tem jogado pouco e sido pouco efetivo…

Resumindo, não dá para imaginar o time sem Larry Taylor e nem querer que mude seu estilo de jogo agressivo e individualista, mas é bom saber que o Bauru Basket tem alternativas.

Fotos da homepage: Cristiani Simão/Jornada Esportiva – exceto foto torcida (Reprodução)

Comentários

  1. Kelly disse:

    Quero deixar meus parabéns pro Guerrinha e pra nossa equipe de guerreiros. Com certeza o Larry faz falta a nossa equipe, mas ontem nos portamos bem e conseguimos vencer muito bem a equipe de Barueri, acho que o Guerra fez bem em poupar nosso alienigena, para que possa “destruir” em São José. Ja o Thiago não tem o que falar do garoto se portou muito bem, fez o papel dele e se soltou em quadra, ótimo para o revezamento nos jogos com o Larry. Jeff nem tem o que falar, e os outros todos colaboraram pra mais essa brilhante vitória.
    A equipe de Barueri é fraca sim, o que tem potencial ali é o Fischer 11 (irmão do Fischer de Bauru)é um bom atleta.
    Valeu Itabom/Bauru

  2. Thompson disse:

    Desculpe discordar BH, mas pra mim, o Guerrinha errou ontem ao escalar o time com reservas. Com isso, passou para o time a ideia de que o jogo estava ganho e eles reagiram dessa forma. O Larry estava inapto, tudo bem, entra o Aleo, mas porque deixar Douglas Nunes e o Fischer no banco no início? Não seria melhor entrar com o time titular, abrir 10 pontos de cara e só controlar o jogo até o final?

    O time perdeu o 1º quarto, empatou o 2º. No meio do 3º quarto, ainda estávamos perdendo. Só foi vencer, de fato, no último quarto, quando a defesa entrou em quadra forçando arremessos, roubando bolas e consequentemente abrindo vantagem. Tomar 86 pontos desse time de Barueri é um resultado horrível. Vencê-los apenas no último quarto, e no sufoco, é horrível. Esse time tem apenas 1 vitória no campeonato, e o Bauru está brigando pelo título!

    Vencemos graça ao desempenho fenomenal do Jeff, tanto no ataque como na defesa. A torcida adora o Alex, e ontem ele correspondeu, mesmo ainda sem estar com 100% da forma. Com ele recuperado, temos um quinteto titular muito forte, mas o banco não está correspodendo, o que pode nos causar problemas nos playoffs.

  3. Gabriel Pelosi disse:

    Legal o post BH. Discordo do comentário Thompson. O Fischer começou jogando. Confira o time que iniciou a partida de ontem: Thyago Aleo, Ricardo, Fischer, Jeff e Renato. Douglas não começou e foi poupado diversas vezes durante o jogo porque estava com um desconforto no tornozelo. Por isso começou com Renato em seu lugar. O resto era o titular. Com Larry poupado e Eddy contundido, Thyago e Ricardo foram titulares.

  4. ricardo mendes disse:

    Thyago é um jogador de grande futuro e que está mostrando que pode ir longe na carreira dele..ontem foi evidente que o time todo sobe de produçao qdo ele joga pois ele coloca os companheiros para jogar coisa que nao acontece muito qdo larry joga pois ele concentra muito o jogo nele…bauru tem um time de jogadores jovens e talentosos que cada vez mais vem mostrando que podem chegar a dar resultados muito bons, parabens a todos

  5. Thompson disse:

    É verdade, o Fischer começou jogando. Falha minha!

    O Thyago precisa de apoio, é um cara novo cujo emocional influencia demais. Uso o jogo contra o Pinheiros aqui em Bauru como exemplo. Ele estava péssimo até o 3º quarto, quando fez uma infiltração trazendo os dois pivôs com ele, fez uma assistência maravilhosa pelas costas para uma cravada do Jeff. Depois disso, seu jogo mudou completamente. Fez mais infiltrações, assistências, bola de 3…

    Ser reserva do Larry é uma posição cruel.

    Mas a verdade é que o time precisa de alguém para ser sombra dele, para que ele evolua. E ontem, que o Larry foi poupado, ou em outra situação em que um dos dois esteja estourado em falta, não há ninguém no elenco para armar o time. Fischer, Gui ou Guilherme não conseguem fazer isso. Nos momentos em que o Thyago foi pro banco, o time ficou à merce da defesa do Barueri, dependendo de lances individuais.